Quarta sem Lei Podcast – Episódio #2

Eis que surge o segundo episódio do Quarta Sem Lei, que é o podcast de variedades sonoras do Metal Zone. E hoje com muito som diferente.
E tocando ao fundo das narrações do podcast, a Tamuyão!! Rsss…. No programa passado foi o Pagan Throne, e será assim, em todo o programa uma banda rolando ao fundo, para preparar o ouvinte.
Então sem mais delongas… Vamos começar!

01- Angra
E para começar o Quarta Sem Lei dessa semana, vamos abrir com Angra – Black Widow’s Web. Uma música que deu o que falar mais pela participação da Sandy do que a Alyssa White do Arch Enemy. No geral é uma ótima música, a voz da Sandy caiu como uma luva para a canção.
Música: Black Widow’s Web
Álbum: ØMNI
Facebook: https://www.facebook.com/AngraOfficialPage/

02 – Hagbard
Agora um pouco de Folk Metal brasileiro, com uma das melhores bandas do estilo: Hagbard. A “Warrior’s Legacy” é a faixa de abertura do primeiro disco da banda, que é fantástico. Foi lançado pela Heavy Metal Rock. A banda já está no segundo disco e vale a pena conferir.
Música: Warrior’s Legacy
Álbum: Rise of the Sea King
Facebook: https://www.facebook.com/OfficialHagbard

03 / 04 – Tamuya Thrash Tribe
Já tem uns cinco anos que eu resenhei o EP United, que era uma aula de história e ficava na torcida para um álbum completo da banda. Em 2016 o Tamuya lançou de forma independente “The Last of the Guaranis” em uma versão luxuosíssima. Uma edição limitada dupla em embalagem cartonada em formato de DVD, com o cd “The Last of the Guaranis” e o EP “United, remasterizado e mais duas faixas bônus. O que eu mais você quer?

O TTT é umas das mais talentosas e criativas bandas da nova safra do metal nacional, o grupo mescla letras com teor histórico / conceitual a músicas com um instrumental vibrante, pesado e arrojado. Eu ficaria horas falando do Tamuya, mas no podcast de hoje vocês escutarão a intro do cd “Oreru Nhamandú Tupã Oreru”, que traduzindo significa: Nossos pais são o sol e o trovão, é uma linda canção cantada por um coral de crianças da tribo guarani Mbya. E na sequencia reverberando como um trovão por vales e florestas: The voice of Nhanderú.
Músicas: Oreru Nhamandú Tupã Oreru e The voice of Nhanderú
Álbum: The Last of the Guaranis
Facebook: https://www.facebook.com/TamuyaThrash/

05 – Torture Squad
Um dos pilares do Death/Thrash Metal nacional, que recentemente ficaram impedidos de sair da Colômbia, devido a uma lei sancionada pelo presidente daquele país, que impede a entrada e saída de pessoas da Colômbia durante as eleições. Sendo assim, a banda cancelou três shows que fariam no Equador. Agora já está tudo bem com a banda, que retomou a turnê sul-americana para promover o mais novo disco: Far Beyond Existence, que saiu em dezembro de 2017. E é desse trabalho que escutaremos um cover do WASP para “Inside Eletricus Circus”, que saiu como faixa bônus pela gravadora Secret Service Records.
Música: Inside Eletricus Circus
Álbum: Far Beyond Existence
Facebook: https://www.facebook.com/torturesquad/

06 – Tiran
Não sei se vocês sabem, mas os russos são meio loucos para muitas coisas. E uma delas é fazer Thrash Metal. O Tiran tem mais de 20 anos de estrada pelo underground russo, e chegaram em 2018 com o terceiro álbum da carreira “Apocalyptic Tales” lançado em 2017. E esse trabalho é bem sujo, raivoso e descompromissado, mas insano e técnico. Mistura as vertentes mais insanas do metal, como o Death Metal, Black Metal e o Speed Metal. Com um pé no acelerador e sem freio o Tiran abusa de ser old school na faixa “Speed as Hell, Drunk as Well”. Que escutaremos agora!
Música: Speed as Hell, Drunk as Well
Álbum: Apocalyptic Tales
Facebook: https://www.facebook.com/TIRANofficial/

07 / 08 / 09 – Matakabra
Só ouvindo o áudio! 😊

Músicas: Ogum (Intro), No açoite e Mordaça
EP: Marginal
Facebook: https://www.facebook.com/matakabra

Quarta Sem Lei Podcast – Episódio #2

Eis que surge o segundo episódio do Quarta Sem Lei, que é o podcast de variedades sonoras do Metal Zone. E hoje com muito som diferente. E tocando ao fundo das narrações do podcast, a Tamuyão!! Rsss…. No programa passado foi o Pagan Throne, e será assim, em todo o programa uma banda rolando ao fundo, para preparar o ouvinte. Então sem mais delongas… Vamos começar!
01 – Angra
Música: Black Widow’s Web
Álbum: ØMNI
Facebook: https://www.facebook.com/AngraOfficialPage/

02 – Hagbard
Música: Warrior’s Legacy
Álbum: Rise of the Sea King
Facebook: https://www.facebook.com/OfficialHagbard

03 / 04 – Tamuya Thrash Tribe
Músicas: Oreru Nhamandú Tupã Oreru e The voice of Nhanderú
Álbum: The Last of the Guaranis
Facebook: https://www.facebook.com/TamuyaThrash/

05 – Torture Squad
Música: Inside Eletricus Circus
Álbum: Far Beyond Existence
Facebook: https://www.facebook.com/torturesquad/

06 – Tiran
Música: Speed as Hell, Drunk as Well
Álbum: Apocalyptic Tales
Facebook: https://www.facebook.com/TIRANofficial/

07 / 08 / 09 – Matakabra
Só ouvindo o aúdio! 😊
Músicas: Ogum (Intro), No açoite e Mordaça
EP: Marginal
Facebook: https://www.facebook.com/matakabra

Quarta sem Lei – Episódio #1

Quarta sem Lei! Esse é o novo programa de Podcast do Metal Zone. A cada semana um episódio com bandas nacionais ou internacionais, entrevistas curtas e muita informação.
A ideia para esse podcast veio de um programa que eu escutava quando era adolescente, em meados dos anos 90. Era um programa chamado Contra Cultura, que tocava na Rádio Resende FM, na cidade que eu cresci no interior do Rio. Era apresentado por um cara, muito foda e era o mais próximo que tínhamos de um Spotify na época. Porque era ele quem trazia as novidades e os clássicos em uma mistura incrível de sonoridades rock e metal. E nesse programa, acho que rolava em uma quarta-feira do mês e tinha o Quarta sem Lei, onde o Marcelo Carneiro, o apresentador, metia o pé no acelerador.
Então o Metal Zone quarta sem lei é uma ode ao Marcelo Carneiro e o programa que ele apresentava e que serviu e muito para moldar os meus conhecimentos em heavy metal e curtir bandas novas.

Blood Chip
E para começar esse primeiro Quarta Sem Lei, trago uma banda que demorou pra sair do meu player de CD. O Blood Chip é uma banda cheia de teatralidade e muito rock n roll. Escrevi a resenha do cd recentemente no Metal Zone e fiquei espantado com o som deles. Não sei se é porque sou muito fã de The Cult ou se a banda realmente mergulhou de cabeça nesse clima. E o EP Pillow of Stone é fabuloso. E aqui escutaremos Bones, que tem clipe rolando.

Música: Bones
Álbum: Pillow of Stone
Facebook: https://www.facebook.com/bloodchip.oficial

Shadowside
Vamos adicionar um pouco mais de peso? Agora com a banda brasileira Shadowside e a música The Fall do seu mais recente trabalho de estúdio: Shades do Humanity. A banda lançou esse disco após uma longa espera de cinco anos. E além de toda a evolução artística da banda ser notória nesse trabalho, o grupo acrescentou à sua formação o baixista sueco Magnus Rosén, que era do Hammerfall.

Música: The Fall
Álbum: Shades do Humanity
Facebook: https://www.facebook.com/shadowsideband/

SuuM
Vamos manter o peso, só que deixando mais sombrio com os italianos do SuuM. A banda é da cidade de Roma na Itália e lançou recentemente o seu primeiro disco: Buried Into The Grave. Aquele doom metal para quem é fã de doom mesmo. E que curte um trabalho carregado de notas sabathianas.

Música: Last Sacrifice
Álbum: Buried Into The Grave
Facebook: https://www.facebook.com/suumdoom/

Pagan Throne
Agora temos um dos representantes do Pagan / Viking Metal nacional, os cariocas do Pagan Throne participaram recentemente de um tributo ao Sepultura. É um tributo novo chamado Third World Domination organizado pela MS Metal Records e totalmente dedica à fase Derrick Green, que por sinal completa 20 anos em 2018. Já passou da hora das viúvas do Max acabarem com o voto de castidade.
Em uma versão fantástica e com a cara da banda, o Pagan Throne executa a música “Impending Doom”, que é a terceira faixa do álbum, deixa eu pegar um fôlego aqui: The Mediator Between Head and Hands Must Be the Heart.

E antes tocarmos a música, o vocalista do Pagan Throne – Rodrigo Garm, concedeu algumas breves palavras ao Metal Zone sobre a participação da banda nesse tributo. Vamos ouvir o cara!

Música: Impending Doom
Álbum: Third World Domination
Facebook: https://www.facebook.com/pagan.throne.7

Em Ruínas
E seguindo muito bem a cartilha do Speed Metal, a banda paulistana Em Ruínas lançou no final de 2017 o segundo álbum da carreira: No Speed Limit (Metal Tornado). E escutaremos duas faixas desse trabalho.

Músicas: Furiosa (The Warrior) e Hereditary Force (Cursed be our Name)
Álbum: No Speed Limit (Metal Tornado)
Facebook: https://www.facebook.com/emruinasbrazil/

Firegun
Fechando esse Quarta sem Lei, com os paulistas do Firegun. Rolaremos a música Blind Nation do primeiro álbum do grupo “Inheritance of a Blind Nation” lançado em 2017. É um álbum recheado de críticas sócio-políticas que ficam bem mais revoltantes quando são conduzidas pela trilha sonora da banda.

Música: Blind Nation
Álbum: Inheritance of a Blind Nation
Facebook: https://www.facebook.com/firegunofficial/

Esse foi o primeiro Podcast Quarta Sem Lei do Metal Zone. Já separei vários materiais legais aqui para tocar nos próximos episódios!
Só para lembrar, que você pode assinar o podcast pelo Itunes, Deezer e Soundcloud. Basta fazer a busca por Metal Zone. E vai aparecer a imagem do nosso ouriço malvadão na capa!
Até a próxima Quarta Sem Lei!

Deezer: http://www.deezer.com/show/56223?utm_source=deezer&utm_content=show-56223&utm_term=470297183_1520454485&utm_medium=web
Itunes: https://itunes.apple.com/us/podcast/id1354455859
Soundcloud: https://soundcloud.com/metalzonebr
Metal Zone: www.metalzone.com.br

Affront – M. Mictian

Com o primeiro disco “Angy Voices” lançado em 2016 no Brasil via Cianeto e agora já percorrendo a Europa, Japão e Canadá o Affront é um nome de peso inquestionável no cenário Thrash/Death nacional. E não é para menos, o grupo é liderado por M. Mictian, baixista fundador do Unearthly, outro gigante no cenário da música extrema no Brasil. Além do M. Mictian no baixo/vocal, completam o trio R. Rassan na guitarra e o baterista Oman Oado, que entrou no lugar do Jedy Najay.

E nesse Podcast o M. Mictian conta como foi assumir os vocais, trabalhar como um trio, fala sobre a faixa em português e mais algumas coisas.

Pastore – Phoenix Rising

O nome Mário Pastore por si só já estremece os pilares do Heavy Metal nacional graças à uma trajetória impecável em diversos grupos, como: Acid Storm e Tailgunners, por exemplo. E a banda Pastore chega ao terceiro álbum. E talvez seja o melhor trabalho dele até o momento. Isso porque Phoenix Rising tem os elementos de peso e velocidade aliados à agressividade e melodia, todos balanceados na medida exata.

Lançado em outubro de 2017, Phoenix Rising faz jus ao nome. Quem acompanha a trajetória do músico pelas redes sociais, deve saber que os últimos anos foram pesados para o Mário, que passou por uma grande perda familiar. Mas, Mário renasce tão reluzente e feroz quanto antes. Pastore apresenta um heavy metal endiabrado, vigoroso e tão poderoso quanto nos álbuns anteriores.

Esse trabalho já começa impecável com uma sequência de músicas avassaladoras: Phoenix Rising, Damn Proud e Symphony of Fear, essa última com um refrão que faz tremer o chão. Em “March of War”, Pastore não perdoa as cordas vocais com agudos potentes. O disco todo é muito bom e coeso. Ser assessorado por uma banda competentíssima também ajuda e muito.

Para a edição japonesa de Phoenix Rising, a banda traz um cover excelente do Dokken com a música “Lightning Strikes Again” do álbum “Under Lock and Key” de 1985. Outra novidade é que essa faixa teve a participação do guitarrista Eduardo Ardanuy, ex-Dr. Sin.

E no podcast você ouvirá: Symphony of Fear, Dawn Proud, No More Lies e Time Goes By. Lembrando que música Symphony of Fear já tem um clipe muito legal rolando no canal do Pastore no Youtube e no site do Metal Zone também. Confira!

 

Faixas:

  1. Phoenix Rising
  2. Damn Proud
  3. Symphony of Fear
  4. March of War
  5. No More Lies
  6. Salvation Paradise
  7. I Need More
  8. Holy War
  9. Time Goes By
  10. Get Outta My Way
  11. Fire and Ice
  12. Lightning Strikes Again (Dokken Cover)

PASTORE – Symphony Of Fear (Official Video)

Skid Row – Slave to the Grind

Esqueça a figura do Sebastian Bach por apenas um segundo. Esqueceu? Agora ouça esse disco – Slave to the Grind é um trabalho visceral, pesado, rápido e arrogante!

Isso é heavy metal em seu estado puro!  É o famoso “Rock Pauleira”, que povo costumava chamar o nosso adorado metal lá pelas décadas de 80 e 90.

Logo de cara abrindo o álbum já são três porradas para atordoar: Monkey Business, Slave to the Grind e The Threat, a potência vocal do Sebastian Bach está configurada no máximo! Nesse primeiro round o ouvinte já sente uma pressão no cérebro.

O analgésico vem com Quicksand Jesus, uma balada cheia de nuances melancólicas e dramáticas.

O segundo round já deixará o ouvinte louco ao ouvir: Psycho Love, Get the Fuck Out, Living on a Chang Gang e Creepshow. Se o início do disco era mais voltado ao Heavy Metal, agora a banda flerta com o punk rock e o heavy metal, e mantendo uma sinergia incrível.

Vale uns parênteses aqui, para explicar o quanto esse álbum foi “perigoso”. No Canadá, a música Get the Fuck Out foi censurada, e por lá lançaram uma versão do álbum com Beggars Day no lugar.

E eis que surge mais uma balada para que o ouvinte tome folego. E a escolhida foi In a Darkned Room, que cumpre muito bem esse papel.

Mesmo com uma letra melancólica, a levada calma da canção deixa o ouvinte em um transe profundo.

O terceiro e último round dessa luta fica por conta de dois sons mais Hard Rock: Riot Act e Mudkicker.

Fechando esse trabalho em grande estilo a balada Wasted Time, que tocou exaustivamente nas FMs em meados da década de 90.

O Slave to the grind marca uma fase mais pesada da banda. As letras estavam mais complexas, com críticas à sociedade, modo de vida, autoritarismo, política, drogas, crime organizado e religião.

A capa do álbum foi pintada pelo pai do Sebastian Bach, o pintor David Bierk.

E aqui no Play It Loud escutaremos Slave to the Grind, The Threat, Beggars Day e Get the Fuck Out – porque aqui não tem censura!

Vamos curtir o Slave to the Grind na íntegra?