May Undead: vocalista participa do Sabbatonero, tributo ao Black Sabbath organizado por Tony Dolan (Venom Inc)

May Undead: vocalista participa do Sabbatonero, tributo ao Black Sabbath organizado por Tony Dolan (Venom Inc)

A vocalista do Torture Squad, May “Undead” Puertas, é um dos nomes convidados para participar do Sabbatonero, tributo internacional dedicado ao Black Sabbath, organizado por Tony “Demolition Man” Nolan (ex-Venom, atual Venom Inc), e que conta com grandes nomes do Metal mundial, como Rasmus Bom Andersen (Diamond Head), John Gallagher (Raven), Marty Friedman (ex-Megadeth), Mantas (ex-Venom, Venom Inc), Ken Andrews (Obituary), Prika Amaral (Nervosa), Attila Vörös (ex-Tyr, ex-Satyricon, ex-Nevermore, Sanctuary), James Murphy (ex-Death,ex-Testaent, ex-Obituary, Disincarnate) e Snowy Shaw (ex-Dream Evil, ex-Therion, ex-Mercyful Fate, ex-King Diamond), dentre muitos outros.

May Undead: vocalista participa do Sabbatonero, tributo ao Black Sabbath organizado por Tony Dolan (Venom Inc)

O Sabbatonero surgiu da união de forças entre Tony Dolan e o italiano Francesco Conte (Nero Omega, ex-Desecration), e além de prestar tributo ao Black Sabbath, possui uma causa ainda mais nobre, que é o de arrecadar fundos para os trabalhadores que estão na linha de frente contra a epidemia da Covid-19 na Itália.

 

Em breve será lançado um álbum intitulado “L’Uomo Di Ferro”, que vai contar com 10 faixas da fase inicial do Sabbath. May Undead participou gravando a música  “Killing Yourself to Live” – presente no clássico Sabbath Bloody Sabbath -, ao lado dos guitarristas Mantas, Ken Andrews, Prika Amaral, Attila Vörös e da vocalista Maksymina Kuzianik (ex-Setheist). Em breve mais informações a respeito serão dadas.

 

Torture Squad:

May “Undead” Puertas – vocal

Rene Simionato – guitarra

Castor – baixo

Amilcar Christófaro – bateria

 

Mais informações:

Site Oficial: www.torturesquad.net.br

Facebook: www.facebook.com/torturesquad

YouTube: www.youtube.com/torturesquadband

May Undead: vocalista participa do Sabbatonero, tributo ao Black Sabbath organizado por Tony Dolan (Venom Inc)

biografias

Manowar

Manowar

16/03/2021 Biografias

manowar O Manowar é uma banda que dispensa apresentações, qualquer fã de metal pelo menos já ouviu falar desse quarteto americano que fez seu nome no início da década de oitenta. Eles apelam para um visual de vinkings/bárbaros e com letras sobre batalhas e sempre exaltando um lado machista.Angariando milhares

Leia mais

play it loud!

Skid Row – Slave to the Grind

Filipe Souza 02/02/2018

Esqueça a figura do Sebastian Bach por apenas um segundo. Esqueceu? Agora ouça esse disco

Leia Mais
Play It Loud! Podcast

Helloween – Live in the U.K

Filipe Souza 15/04/2013

O que se pode dizer de um disco ao vivo que resgata o melhor de

Leia Mais
Play It Loud!

Ozzy Osbourne – Speak of the Devil (1982)

Filipe Souza 17/12/2012

Ozzy Osbourne Speak of the Devil (1982) Esse disco representa muito para mim. Desde adolescente

Leia Mais
Play It Loud!

Escute o metal zone

newsletter

Use a nossa busca

Quarta Sem Lei – Episódio #1

Quarta sem Lei! Esse é o novo programa de Podcast do Metal Zone. A cada semana um episódio com bandas nacionais ou internacionais, entrevistas curtas e muita informação.

A ideia para esse podcast veio de um programa que eu escutava quando era adolescente, em meados dos anos 90. Era um programa chamado Contra Cultura, que tocava na Rádio Resende FM, na cidade que eu cresci no interior do Rio. Era apresentado por um cara, muito foda e era o mais próximo que tínhamos de um Spotify na época. Porque era ele quem trazia as novidades e os clássicos em uma mistura incrível de sonoridades rock e metal. E nesse programa, acho que rolava em uma quarta-feira do mês e tinha o Quarta sem Lei, onde o Marcelo Carneiro, o apresentador, metia o pé no acelerador.

Então o Metal Zone quarta sem lei é uma ode ao Marcelo Carneiro e o programa que ele apresentava e que serviu e muito para moldar os meus conhecimentos em heavy metal e curtir bandas novas.

Blood Chip
Música: Bones
Álbum: Pillow of Stone
Facebook: https://www.facebook.com/bloodchip.oficial

Shadowside
Música: The Fall
Álbum: Shades do Humanity
Facebook: https://www.facebook.com/shadowsideband/

SuuM
Música: Last Sacrifice
Álbum: Buried Into The Grave
Facebook: https://www.facebook.com/suumdoom/

Pagan Throne
Música: Impending Doom
Álbum: Third World Domination
Facebook: https://www.facebook.com/pagan.throne.7

Em Ruínas
Músicas: Furiosa (The Warrior) e Hereditary Force (Cursed be our Name)
Álbum: No Speed Limit (Metal Tornado)
Facebook: https://www.facebook.com/emruinasbrazil/

Firegun
Música: Blind Nation  
Álbum: Inheritance of a Blind Nation
Facebook: https://www.facebook.com/firegunofficial/

Esse foi o primeiro Podcast Quarta Sem Lei do Metal Zone. Já separei vários materiais legais aqui para tocar nos próximos episódios!
Só para lembrar, que você pode assinar o podcast pelo Itunes, Deezer e Soundcloud. Basta fazer a busca por Metal Zone. E vai aparecer a imagem do nosso ouriço malvadão na capa!
Até a próxima Quarta Sem Lei!

Deezer: http://www.deezer.com/show/56223?utm_source=deezer&utm_content=show-56223&utm_term=470297183_1520454485&utm_medium=web

Itunes: https://itunes.apple.com/us/podcast/id1354455859

Soundcloud: https://soundcloud.com/metalzonebr

Metal Zone: www.metalzone.com.br

Entrevista – Affront

Com o primeiro disco “Angy Voices” lançado em 2016 no Brasil via Cianeto e agora já percorrendo a Europa, Japão e Canadá o Affront é um nome de peso inquestionável no cenário Thrash/Death nacional. E não é para menos, o grupo é liderado por M. Mictian, baixista fundador do Unearthly, outro gigante no cenário da música extrema no Brasil. Além do M. Mictian no baixo/vocal, completam o trio R. Rassan na guitarra e o baterista Oman Oado, que entrou no lugar do Jedy Najay.
E nesse Podcast o M. Mictian conta como foi assumir os vocais, trabalhar como um trio, fala sobre a faixa em português e mais algumas coisas.

Pastore – Phoenix Rising – CD – Review

Hoje o podcast do Metal Zone traz o álbum Phoenix Rising da banda Pastore.

E o nome Mário Pastore por si só já estremece os pilares do Heavy Metal nacional graças à uma trajetória impecável em diversos grupos, como: Acid Storm e Tailgunners, por exemplo.

A banda Pastore chega ao terceiro álbum. E talvez seja o melhor trabalho dele até o momento. Isso porque Phoenix Rising tem os elementos de peso e velocidade aliados à agressividade e melodia, todos balanceados na medida exata.

Lançado em outubro de 2017, Phoenix Rising faz jus ao nome. Quem acompanha a trajetória do músico pelas redes sociais, deve saber que os últimos anos foram pesados para o Mário, que passou por uma grande perda familiar. Mas, Mário renasce tão reluzente e feroz quanto antes. Pastore apresenta um heavy metal endiabrado, vigoroso e tão poderoso quanto nos álbuns anteriores.

Esse trabalho já começa impecável com uma sequência de músicas avassaladoras: Phoenix Rising, Damn Proud e Symphony of Fear, essa última com um refrão que faz tremer o chão. Em “March of War”, Pastore não perdoa as cordas vocais com agudos potentes. O disco todo é muito bom e coeso. Ser assessorado por uma banda competentíssima também ajuda e muito.

Para a edição japonesa de Phoenix Rising, a banda traz um cover excelente do Dokken com a música “Lightning Strikes Again” do álbum “Under Lock and Key” de 1985. Outra novidade é que essa faixa teve a participação do guitarrista Eduardo Ardanuy, ex-Dr. Sin.

E nesse podcast você ouvirá: Symphony of Fear, Dawn Proud, No More Lies e Time Goes By. Lembrando que música Symphony of Fear já tem um clipe muito legal rolando no canal do Pastore no Youtube e no site do Metal Zone também. Confira!

Play It Loud – 01 – Skid Row – Slave To The Grind

Esqueça a figura do Sebastian Bach por apenas um segundo. Esqueceu? Agora ouça esse disco – Slave to the Grind é um trabalho visceral, pesado, rápido e arrogante!
Isso é heavy metal em seu estado puro! É o famoso “Rock Pauleira”, que povo costumava chamar o nosso adorado metal lá pelas décadas de 80 e 90.
O Slave to the grind marca uma fase mais pesada da banda. As letras estavam mais complexas, com críticas à sociedade, modo de vida, autoritarismo, política, drogas, crime organizado e religião.
A capa do álbum foi pintada pelo pai do Sebastian Bach, o pintor David Bierk.
E aqui no Play It Loud escutaremos Slave to the Grind, The Threat, Beggars Day e Get the Fuck Out – porque aqui não tem censura!

Hello world!

Welcome to WordPress. This is your first post. Edit or delete it, then start writing!