Jimmy & Rats lançam o álbum "Só há um caminho a seguir", com influência do irish punk

Não demorou muito para que, após o anúncio do fim do Matanza, em 2018, Jimmy London encontrasse um novo lar. Cantor, apresentador do Multishow, ator de séries como “Cidade Invisível” e figura icônica do rock brasileiro, Jimmy se uniu ao Rats, grupo de rock carioca com raízes irlandesas, folk e country, para dar início a um novo projeto, batizado de Jimmy & Rats. Após um crowdfunding bem sucedido, Jimmy prepara junto aos marujos Fernando Oliveira (banjo e bandolim), Kito Vilela (guitarra e voz), Gajo Loko (acordeão e tin whistle), Bruno Pavio (baixo) e Pedro Faucom (bateria) o lançamento do seu primeiro álbum: “Só há um caminho a seguir”. O disco ficará disponível nas plataformas digitais a partir de 26 de março, via Olga Music, em parceria com a ADA, uma das maiores distribuidoras digitais do mundo, através do link: https://lnk.to/sohaumcaminho .

Com 14 faixas, o disco nos leva do alto mar aos saloons do Velho Oeste, com motores a mil e também enferrujados, uma aventura permeada por muitas questões sociais, homenagens e, claro, gritos da tripulação a todo pulmão, como no single e faixa de abertura “Pra nunca se entregar”. O refrão “Persistência, desobediência, sangue nos olhos, sede de vitória” entoa um início de disco recheado de punk rock e um marcante banjo.

“Nunca tive tantos instrumentos, tantas armas a disposição para poder fazer a revolução. O resultado é essa bagunça violenta de várias vozes cantando nossas jornadas para encontrar nosso público” Jimmy London

E a embarcação segue sua jornada com “Anne Bonny”, uma homenagem à conhecida pirata irlandesa, que fez o Caribe tremer no século XVIII, em uma canção rápida e direta. Assim como “Mesmo sem crime algum”, na qual o marujo Fernando canta aos injustiçados, com um timbre vocal que transmite a sensação de não estarmos sozinhos na luta de todos os dias.

E em plena tempestade, a tripulação encontra seu grande inimigo, o opressor em sua embarcação sombria e arrogante, mas Jimmy & Rats entoam seus cantos em “Legião dos Renegados”, preparados para um duelo histórico. Canhões carregados e espingardas em punho. Ninguém irá fazer a viagem parar na metade. Após a vitória da legião, reparando suas perdas de batalha, Jimmy grita “Serei curto e direto dessa vez, essa é pra vocês”, em “Quem faz”, um hardcore desabafo.

Jimmy London. Making-of clipe ‘Pra nunca se entregar’. Foto Marcelo San
Jimmy London. Making-of clipe ‘Pra nunca se entregar’. Foto Marcelo San

O capitão repara que alguém não está trazendo muita sorte para seus desafios mais simples. Achem o “Baltazar”! Ele precisa ficar pelo caminho. Abra a prancha e tire esse mau olhado da nossa equipe!

O mar pode ser solitário e fazer as cicatrizes arderem mais que o normal. “Último passo” é uma homenagem a quem se foi e deixou os corações partidos. Encham os copos, a vida não é feita só de boas notícias.

Enfim chega a hora da nau ancorar, encontrar o primeiro saloon aberto e tomar cerveja entre amigos. “Posso, devo e quero” é para ser cantada abraçado aos seus, que é exatamente o que nossos marujos fazem até a casa fechar suas portas. Paga conta e vamos nessa!

Voltando ao navio encontram um “gringo” no caminho, nervoso e agitado, todo de preto. Entra em cena “M.O.T.O.R.H.E.A.D.”, uma música autoapresentada. Após uma pequena confusão de línguas, o grupo segue seu rumo, e dá uma puxada de orelha em seu marinheiro malandro, em uma das frases mais marcantes da viagem: “Integridade nunca foi opcional”, uma das tantas fortes de “Papo firme”. Tripulação no barco, voltemos ao alto mar!

Perdeu-se muito tempo em terra, “Sai da minha frente”. Ufa, a nau está inteira e todos a bordo. O Capitão decide contar duas histórias para todos, em uma humilde ajuda buscando passar o tempo de todos. “A idade da razão” fala sobre sorte e “O carinho certo da pessoa errada” é um clássico entre todos, afinal, quem nunca sofreu uma desilusão amorosa? “Marujos, o que aconteceu?”, e as histórias são interrompidas pelo motor parando.

Por fim, estamos “À deriva”, um bom momento para refletir, mas também para preparar novas aventuras e desafios. O mundo contará as histórias da tripulação Jimmy & Rats por séculos, certo de que este primeiro capítulo da história é apenas o começo das lendas.

Ouça o álbum “Só Há um Caminho a Seguir” nas plataformas digitais: https://lnk.to/sohaumcaminho

Fonte: Release Olga Music 

Jimmy & Rats lançam o álbum "Só há um caminho a seguir", com influência do irish punk
Jimmy & Rats lançam o álbum "Só há um caminho a seguir", com influência do irish punk

Assista ao videoclipe de "Pra nunca se entregar" no Youtube:

"Só Há um Caminho a Seguir"- faixas:

01 – Pra nunca se entregar (Jimmy London, Fernando Oliveira e Kito Vilela)
02 – Anne Bonny (Jimmy London, Fernando Oliveira e Kito Vilela)
03 – Mesmo sem crime Algum (Fernando Oliveira)
04 – Legião dos renegados (Jimmy London, Fernando Oliveira e Kito Vilela)
05 – Quem faz (Jimmy London, Fernando Oliveira e Kito Vilela)
06 – Baltazar (Jimmy London, Fernando Oliveira e Bruno Pavio)
07 – Último passo (Jimmy London, Fernando Oliveira e Kito Vilela)
08 – Posso, devo e quero (Jimmy London, Fernando Oliveira e Kito Vilela)
09 – M.O.T.O.R.H.E.A.D. (Fernando Oliveira)
10 – Papo firme (Jimmy London, Fernando Oliveira e Kito Vilela)
11 – Sai da minha frente (Jimmy London, Fernando Oliveira e Bruno Pavio)
12 – A Idade da razão (Jimmy London e Fernando Oliveira)
13 – O carinho certo da pessoa errada (Jimmy London e Fernando Oliveira)
14 – À deriva (Gajo Loko e Fernando Oliveira)

Ficha técnica “Só Há um Caminho a Seguir”:

Produção: Jimmy London e Fernando Oliveira
Engenheiro de Gravação: Jorge Guerreiro
Assistente de Gravação: Pedro “Faucom” Richaid
Gravação: Casa do Mato, Melhor do Mundo Studios e Toca do Rato
Mixagem: Jorge Guerreiro – O Barquinho Estúdio
Masterização: Fábio Roberto
Direção de Criação: Kito Vilela
Ilustração e Design: Paulo Rocker
Fotos: Felipe Diniz (Estúdio do Alto)
Revisão: Rafael de Pino
Selo: Olga Music

A tripulação:


Jimmy London (Voz)
Fernando Oliveira (Banjo, Bandolim, Guitarra, Guipárra, Gaita, Violão, Resonator, trompete e Voz)
Kito Vilela (Guitarra, Violão e Voz)
Bruno Pavio (Baixo Elétrico e Baixo Acústico)
Gajo Loko (Acordeão, Piano, Órgão, Tuba e Tin Whistle)
Pedro Faucom Richaid (Bateria)

Participações especiais


Dennis Sieber (Backing Vocals)
Inferno de Lucas (Backing Vocals)
Allyson Campos (Violino)

O álbum “Jimmy & Rats – Só Há um Caminho a Seguir” foi gravado, mixado e masterizado entre janeiro de 2020 e fevereiro de 2021 na cidade do Rio de Janeiro-RJ, Brasil.

Ficha técnica – clipe ‘Pra nunca se entregar’

Direção: Bruno Rocha
Câmeras: João Bernardo Muniz, Fernando Duarte, Bruno Rocha
Direção de fotografia: Fernando Duarte
Edição: Bruno Rocha
Finalização: Bruno Rocha
Cor: Fernando Duarte
Assistência de direção: Roberto Rosendo
Fotografia still: Marcelo Santana
Making of: Jean Bordallo
Produção: Kito Vilela e Bruno Rocha
Gravação: Casa do Mato e Toca do Rato
Mixagem: Jorge Guerreiro – O Barquinho Estúdio
Masterização: Fábio Roberto
Produção musical: Jimmy London e Fernando Oliveira
Lançamento: Olga Music

biografias

Manowar

Manowar

16/03/2021 Biografias

manowar O Manowar é uma banda que dispensa apresentações, qualquer fã de metal pelo menos já ouviu falar desse quarteto americano que fez seu nome no início da década de oitenta. Eles apelam para um visual de vinkings/bárbaros e com letras sobre batalhas e sempre exaltando um lado machista.Angariando milhares

Leia mais

play it loud!

Skid Row – Slave to the Grind

Filipe Souza 02/02/2018

Esqueça a figura do Sebastian Bach por apenas um segundo. Esqueceu? Agora ouça esse disco

Leia Mais
Play It Loud! Podcast

Helloween – Live in the U.K

Filipe Souza 15/04/2013

O que se pode dizer de um disco ao vivo que resgata o melhor de

Leia Mais
Play It Loud!

Ozzy Osbourne – Speak of the Devil (1982)

Filipe Souza 17/12/2012

Ozzy Osbourne Speak of the Devil (1982) Esse disco representa muito para mim. Desde adolescente

Leia Mais
Play It Loud!

Escute o metal zone

newsletter

Use a nossa busca

Jimmy & Rats lançam o álbum “Só há um caminho a seguir”, com influência do irish punk